maio 16, 2009

palavras secas, sem destino

incansável som de cascos

enquanto

do fundo do poço, estrelas fixas

governam uma vida

 

Sylvia Plath

Anúncios

maio 16, 2009

Caetano Veloso. 1974

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Caetano. O prancha. Tropicar não é soda água de coco e nem chá de palha. O ismo mais feliz é redundante no seu filho. Viva o homem que trota sobre os versos e é leão criador catalisador zeloso. Sempre que eu falar de você rambele jamais soará um trote. Sentimentos 0900.

Por Carlinhos Brown

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nu com a minha música

Fora isso somente amor

Coragem grande é poder dizer sim

E bye pra esses jornalistas – seduzidos pelo poder de ter a palavra publicada – que só falam merda sobre o Caetano, um festival de despeito e desconhecimento.

Será que já ouviram Transa? Circuladô de fulô?

Se tivessem escutado, estariam, no mínimo, tocados com o que há de força e beleza ali. Mas eles não se tocam, e não viram o disco.


maio 12, 2009

Passando a noite no rio Jiang-De

Por Meng Haoran

 

A barca atraca na ilhota de bruma

Crepúsculo: renasce a comoção do viajante.

Uma palavra imensa; desce o céu às árvores

Límpido, o rio: chega-se a lua aos homens.

 

Tradução Haroldo de Campos


maio 10, 2009
Foto de Nuno Lobito

Foto de Nuno Lobito


maio 1, 2009

 

O mar é só mar, desprovido de apegos,

matando-se e recuperando-se,

correndo como um touro azul por sua própria sombra,

e arremetendo com bravura contra ninguém,

e sendo depois a pura sombra de si mesmo,

por si mesmo vencido. É o seu grande exercício.

Cecília Meireles

 

o que é que há com beLo horizoNte?

cidade sem Gi

cidade sem giz,

previsível, habitável

sem seu cabelo tingindo de vermelho

quarteirões inteiros da Fernandes Tourinho,

impedindo o sossego dos transeuntes;

sem seu sorriso alongando as madrugadas já abandonadas, vazias…

cidade sem Letícia e sua felicidade desconfiada, cabreira, ensimesmada,

e talvez por isso mesmo mais feliz do que

a dos de sorriso armado-límpido-pronto para a fotografia

e para quem mais quiser consumir…

cidade sem os s sibilantes, graves mas não guturais, de Féres…

ontem-hoje-antes-de-ontem-e-antes-ainda-e-talvez-amanhã

a voz de Tatiana Parra,

na canção Mãe, de Flávio Henrique e Guilherme Wisnik,

túnel fundo fenda pra nascer

http://www.myspace.com/tatianaparra

a voz de Thaís Gulin,

na canção Defeito 10: Cedotardar, de Moacyr Albuquerque,

liberdade errante-certeira, timbre seguro que transporta

e não devolve a passagem, ousadia sem beca e de batom

…te sigo.

http://www.myspace.com/thaisgulin

 

a voz de Janaína Assis,

na canção Marinheiro, de Alexandre Amaro e Flávio Boaventura,

bendita lâmina grave que fere a parede e traz

as febres loucas e breves

que mancham o silêncio e o cais.

http://www.myspace.com/janainaassis