Faça-se do tempo livre alegoria para a mão que escreve. Todo o tempo é livre. Desobediente. Imperativo. Uma palavra de pedra sobre a mão, um pensamento obsessivo atravessando tudo…

[tudo arquitetura rochosa, tudo medo do ciúme.

Uma palavra dura de concreto armado, filha de uma pessoa tesa quer muito: quer brincar fora da página, multiplicar-se, dividir-se. Mas um olho rígido que assiste ao verbo já pronto no papel retifica à beça, obscurece o quanto pode para, na verdade, dar pistas claras de sua dor.

Frases sem artigos, repetição silábica sonora, recursos dos sentidos da rima: não sei fazer nada assim, embora o quisesse todo o dia toda noite toda hora toda madrugada momento manhã. Seria uma chuva de liberdade rosa-cabralina. Liberdade e rigor.

Por isso tardo a escrever. Por esse fosso laminado de impossibilidades. Pela esquisitice do meu pensamento: com muito adorno não serve, com muito cientificismo não presta.

Mas, metido à besta, de vez em quando ensaio. Ensaiar eu posso.

Robson, texto de 16/04/2003

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: