Tornei-me salgueirense por influência do meu pai, que desfilou na escola… mas ele dividia seu amor com a Estação Primeira de Mangueira, escola de grandes compositores, entre eles Nelson Cavaquinho, seu amigo. Minhas irmãs são doces mangueirenses… Eu, entretanto, senti uma empatia imediata pelo Salgueiro, pela bandeira vermelha e branca… Era gostoso nos reunirmos para ver as escolas, quando crianças e adolescentes… suco, pipoca e aquela alegria candente da mamãe… Hoje sei que Xangô é meu orixá de cabeça e que, claro, aquela junção do vermelho e branco só poderia me balançar… Caê já nasceu amando a escola, estava grávida de 8 meses no campeonato de 1993, quando a escola defendeu “Peguei um Ita no Norte” (Explode Coração/Na maior felicidade/É lindo o meu Salgueiro/Contagiando sacudindo essa cidade…).  Ele é um fã do Quinho e vibramos muito no carnaval de 2009, com “Tambor” (Da África… Dos nossos ancestrais/Dos deuses… Nos toques rituais//Tem batuque… Tem magia… Tem axé!/O poder que contagia… Quem tem fé!/Na ginga do corpo… Emana alegria/Desperta toda energia!)

Comento isso aqui por alguns motivos:

1- O desfile de ontem foi vibrante, perfeito;

2- Nesse tempo de fundamentalismo religioso, ouvir a arquibancada entoar  o nome dos orixás comove, retrata possibilidades mais leves e harmoniosas de convivência;

3- O samba-enredo soube revelar a força da ancestralidade negra na nossa cultura, no nosso jeito de ser e de amar o planeta;

4-Salvar o planeta é urgente, bem como defender as energias limpas, o respeito aos indígenas e aos quilombolas;

5-Cantar a cosmogonia iorubá é se conectar com outros saberes, é ensinar para além dos livros didáticos – que insistem, em sua maioria, no saber único eurocêntrico.

salgueiro 2

Gaia, a vida em nossas mãos.

Salgueiro na sutileza dos teus versos
Todo o encanto do universo
E a divina criação mistérios da imensidão
Gaia… Terra viva… a riqueza
Gira o mundo meu cenário
Relicário de beleza
Templo sagrado de Olorum
Salve a grandeza de Oxalá
Guardiões da natureza
É a magia dos orixás

Oxum Iemanjá Iansã Oxóssi caçador
Ossanha Ogum caô meu pai Xangô

Nas águas a felicidade… Vermelho e branco é axé
Pra dar um banho de amor na humanidade
Purificando o coração de quem tem fé
Na chama da esperança
O fogo pode transformar
Clareia pra ver nascer um novo dia
Bendito ar que se respira… E o vento a soprar
E no avanço dessa tecnologia
Ecoa a voz da academia
É uma questão de querer aprender a cuidar
E saber preservar

Meu samba vai tocar seu coração
É um alerta ao mundo inteiro
“A vida em nossas mãos”
Buscando a solução… Canta meu salgueiro
O bem que a gente planta
Floresce nesse chão… Canta Salgueiro.

Autores: Xande de Pilares, Dudu Botelho, Miudinho, Betinho de Pilares, Rodrigo Raposo e Jassa
Intérpretes: Quinho, Serginho do Porto e Leonardo Bessa

 

salgueiro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: