Caçamos o poente, uma bandeira rosa esfumaçada adiante, para lá da cidade. A noite nos perseguia com sua maré de carbono a tomar conta do céu atrás de nós, enquanto a luz dos postes lançava períodos de claridade como estandartes ou faróis a buscar dois fugitivos.

Ilustração de Gabriel Pacheco

(…) os livros, para preencher seus dias inteiros de chuva, enfileiram-se nas prateleiras (…)

Indecisão e devaneios são os anestésicos da atividade construtiva.

Sente vergonha ao reler os parágrafos cheios de lirismo sentimental que pareciam tão genuínos e reais havia poucos meses.

– Deus, quem sou eu? Sentada na biblioteca, esta noite, vi luzes brilhantes no teto, ouvi o zumbido alto do ventilador.

Como explicar a Bob que minha felicidade depende de arrancar um pedaço da minha vida, um fragmento de aflição e beleza, e transformá-lo em palavras datilografadas numa página?

Trechos de Os diários de Sylvia Plath (1950-1962)

Editados por Karen V. Kukil

Tradução de Celso Nogueira. Ed. Globo,  2004.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: