A Júlia é uma aluna querida, singular, do tipo que quando falta à aula, a sala parece vazia e triste. Tem um atrevimento que incomodaria os professores mais conservadores, que existem aos montes por aí nas escolas católicas da cidade, mas que me encanta porque não se assemelha à arrogância, mas à sabedoria e à vontade de dizer o que sente e pensa. Ela não faz coro com esses menininhos ricos que tratam os professores como empregadinhos e cutucam o celular a aula inteira. Chicobuarqueana – ou seja, um diamante no decadente reinado de Gusttavo Lima – sabe ouvir e transformar essa escuta em aprendizado, sabe falar e questionar velhos e mofados argumentos. E, claro, sabe escrever.

Publico esta redação – nota máxima na prova da Cesgranrio – porque é ousada e se contrapõe à cartilha comum dos professores (medíocres) de cursinho, cheia de privações e mitos. Eu sou conhecida justamente por detestar essa cartilha e por ensinar como usar as diversas possibilidades formais para que se alcance um texto consistente. Sinto horror a esse discurso comum de que não se pode usar metáforas ou metonímias…blá blá blá…

 

A terceira margem do rio

 Júlia Lima

Deixei a terapia e uma pergunta feita pelo meu psiquiatra não me saiu da cabeça durante a longa volta para casa: o que eu poderia fazer para realizar meu ideal?

Sou filha do capitalismo e da globalização. Moro no Brasil, tenho amigos no Japão e as reuniões do escritório são em francês. Tenho o carro novo na garagem, a tecnologia do momento na bolsa, as melhores grifes no closet e sempre quero comprar aquilo que ainda não foi inventado.

Sou Dorian Gray. Quero beleza e juventude eternas e, para tanto, vendi a minha alma e me associei a uma clínica de estética. Sou perfeita por fora, mas tranquei no sótão escuro e úmido, debaixo de panos velhos, o retrato que esconde todos os meus pecados, minhas fraquezas e minhas misérias. Eu sou a casca perfeita.

Sou a personagem de George Orwell. Sinto-me vigiada todos os dias, o dia todo. Não importa para onde eu vá, ou o que faça, o Grande Irmão está lá, sempre olhando para mim.

Vivo em um tempo no qual as distâncias não existem, em que ter tudo ainda é pouco e onde a beleza e o dinheiro ditam os modos de vida e as regras da sociedade. No meu mundo, as pessoas não mais se tocam, não mais se importam e os sonhos são vendidos em prateleiras de supermercados. Não me encontro e não me encaixo em lugar nenhum, a pergunta é: o que eu posso fazer para realizar meu ideal, se eu sequer sei o que isso significa?

Farei, portanto, como o personagem de Guimarães Rosa: vou continuar aqui, vivendo desse jeito, nesse mesmo mundo, e, quando já estiver velha e cansada de tudo e todos, vou construir uma canoa e me mudar para a terceira margem do rio em busca de um lugar só meu. Em busca apenas de um pouco de paz.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: