foto_VALDIR

Valdir e eu.

Valdir vendia pão integral nos intervalos das aulas, Estadual Central, 1992. Certa vez comprei pão só para puxar assunto. E a prosa foi certeira, costurou sonhos e promessas, lirismos e política, clube da esquina e tropicália. E vem, a linha e o linho, desenhando nosso amor de amigo, tão livre, tão sem cobrança. Desde o início, estar perto dele é como cantarolar uma leve canção.

A figura humana mais atenciosa que conheço é o Val, não há esforço, o cara é bossa nova. Uma atenção espontânea, que nos alcança já com colo quentinho, lírios e canela. Sua doçura é como a voz de Chris Martin (Coldplay) em Fix You, nos invade, porque há ali, naquele timbre, uma ternura natural, uma inteligência harmônica. E seus silêncios.

Nem me atrevo aqui a contabilizar as gargalhadas noites e madrugadas afora; as fossas, quantas (!); as perdas; as conquistas; a comunhão…

Seu riso é cura. Seu abraço, um lar. 

LAPA VALDIR

Lapa, foto de Valdir no início da carreira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: