Que luz é essa que atravessa a chuva teimosa, insistente em cair, em alarido? Incêndio tímido sob a chuva? Traçado de íris? Olhos de Lia? Uma meta? Um desafio?

Perpassa as folhas úmidas e verdes da pitangueira, no canto do jardim, de espreita, a colorir meus olhos tristes de uma esperança sem ameaças. Flama de outono em pleno verão a trazer lirismo à rotina, a cutucar a monotonia.

Um esboço expressionista ao ar livre? Uma instalação no meu quintal? Um desejo? Uma saudade?

Um vagar que fulgura e não morre, cala o que há de ruidoso no cinza. Cala a verticalidade e corta, sem pedir licença, o escuro. Abraça e abrasa.

Contraponto, contracanto, contratempo? Rebelde diante da cortesia repetitiva da chuva a encharcar a roseira e a tombar seu galho já pesado. Imprudente com a simetria chumbo do céu. Um momento.

Tão intenso e doce quanto a canção de Lenine.

Espontâneo-inesperado, que doura um trecho tímido desta tarde e me comove.

Anúncios

One Response to

  1. Lenise disse:

    E assim poesia desabou sobre os homens!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: