Poema boavesco saindo do forno direto para o 1claroenigma, um privilégio, uma honra, uma delícia…


poema-frisson


meu olho não quer saber

o que desata todos os nós

na calada das noites


ele só pisca ao sabor de palavras frenéticas

e da filosofia dos poros

que bota tudo às favas


meu olho bimotor tritura alhos e bugalhos

e o som de sua fúria se exalta

ao ver esse olho que o lê

flávio boaventura

bh, dezembro de 2010.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: