– Omissão e covardia contribuem para a intolerância.
e brutalidades cotidianas –

Alguém pensa que os horrores existem sozinhos,
e diz a sociedade, o grupo, a organização, o sistema…
Ora, e nós não somos a sociedade?

Alguém se calou diante dos campos de concentração.
Não ouviu barulho? Tiro? Grito? Bomba? Trem?
Não viu fumaça? Movimento? Soldados? Cadáveres?
Não sentiu o cheiro dos corpos apodrecendo no pátio?

Alguém deu coronhadas, em nome do seu país, até a criança de joelhos sangrar.
Alguém estuprou as adolescentes do país rival.
Alguém humilhou soldados de guerra e os barbarizou.
Alguém fuzilou homens mulheres crianças
e passou as mãos nos lábios e dormiu à noite e deu risada no dia seguinte.
E tomou um trago de vodca.

Alguém gritou no edifício: é judeu, levem-no.
Acreditava em quê?
Delatou-o como quem enxuga as louças e varre a poeira do chão.

Alguém expulsou o filho de casa porque ele gostava de outro rapaz
e lavou as mãos.
E discursou em nome da moral e da ética,
e deu um beijo de boa noite na esposa muda, inexata.

Alguém saiu em defesa dos militares
e entregou padres suspeitos de comunismo.
E fez pose de patriota, e sentiu-se temente a Deus,
e dobrou a esquina, e trabalhou mais de oito horas por dia
por um salário medíocre,
até morrer de velho,
sem culpa ou remorso.

Alguém viu e fez que não.
Alguém calou.
E frequentou a missa, colocou a vasilha de sopa na mesa do jantar, criou os filhos,
abotoou a camisa do marido passada a ferro quente.

Alguém recebeu propina e gostou,
e recebeu de novo, e gostou ainda mais.
Comprou uma mansão em Brasília, uma em Salvador,
um apartamento em Paris, algumas cabeças de gado…
alguns atiradores profissionais e duas mulheres pralém da oficial –
cúmplice-calada,  no seu canto, com cara de vítima e roupa de grife.

Alguém bebeu para esquecer.
Alguém vendeu a bebida.

Alguém fechou a janela pra não ver.
Ligou a tv; xingou o governo, o repórter, a mãe do juiz.
Dormiu com sede de justiça, acordou pronta para o batente.
Falou mal da colega, destratou o porteiro,
comprou um cd pirata da Ivete Sangalo, e
uma sandália de nove e noventa, carismática, felicidade-axé, não enxergou a faxineira,
trabalhou até 19 horas,
e trepou com o marido da melhor amiga.

Alguém comeu o pão que o diabo amassou.
Alguém ficou sem comer.

Alguém não ouviu os murros socos pontapés
gritos, mais tarde urros sussurros gemidos
e um silêncio sujo de sangue.

Alguém não viu o olho roxo, os ombros caídos e a vontade de não existir.

Alguém não viu a menina-acuada-triste-soturna-calada
e a boneca sem cabeça, com uma só perna e os braços revirados,
largada no sofá.
Alguém não percebeu seus pesadelos e seus olhos ensimesmados

Alguém viu a menina com medo temor pânico
e gozou
Alguém não viu sua filha vestida de medo e os olhos fixos no instante.

Alguém.

SILÊNCIO!

Anúncios

4 Responses to

  1. janaina disse:

    é desumano esquecer disso.

  2. janaina disse:

    é desumano alguém esquecer disso.

  3. giselle disse:

    alguém?
    quem?
    onde?….
    cadê todo mundo?

  4. Aline disse:

    Nossa, Rena, muito bonito isso. Posso dizer, sem medo de errar, que foi o texto mais bonito seu que li até agora. É engraçada essa moral incoerente das pessoas, né, essa moral de conveniência. Ontem vi pensando sobre isso no caminho pra casa. Já parou pra pensar que os congressistas que são contra o aborto por se dizerem “a favor da vida” são os mesmos que querem aprovar um código ambiental que vai destruir boa parte do Bioma amazônico? Como pode ser “a favor da vida”, extinguindo milhares espécies animais e vegetais? Ou planta e bicho não têm vida? Isso sem falar nos povos amazônicos, acuados sabe-se lá pra onde. Feto é gente, índio, não. Não é patético?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: